O que é?

O Viva@Ceará é um hub de distritos de inovação. Os três primeiros distritos do hub, em diferentes estágios, objetivam desenvolver a economia e inovação da saúde: Distrito de Inovação em Saúde de Porangabussu (Viva@Porangabussu), Distrito de Inovação em Saúde de Eusébio (Viva@Eusébio), Distrito de Inovação em Saúde de Quixeramobim (Viva@Quixeramobim).

Distritos e clusters - Distritos de Inovação

Seguindo o preceito do Ceará 2050 de focar em projetos estruturantes e sustentáveis, que contribuam com a inovação urbana, social e econômica, surgem os projetos dos Distritos de Inovação em Saúde no Ceará, compreendendo como Distrito áreas geograficamente compactas dentro de cidades que contemplam o uso integrado de moradia, trabalho e lazer, onde empresas de grande porte interagem e se conectam com startups e onde os profissionais moram perto do trabalho e

não precisam se deslocar muito para encontrar lazer, serviços e facilidades do dia a dia, garantindo assim melhor qualidade de vida. A requalificação do espaço urbano é seguida do desenvolvimento econômico da região, por meio de atração de empresas e moradores, desenvolvimento de talentos e startups.

Os Distritos de Inovação devem ser, portanto, um território propício ao desenvolvimento de novas ideias, produtos e serviços, que através de investimentos públicos e privados possam beneficiar a comunidade local e os que nela trabalham com: oferta de novos empregos, promoção e atração de novos negócios, melhoria dos serviços de educação e formação profissional, requalificação da infraestrutura e espaço urbano, fomento e apoio à pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e inovação, tratamento adequado ao meio ambiente, melhoria da segurança pública, oferta de serviços de saúde de qualidade, ampla oferta de esporte, lazer e atividades culturais.

 

Hub e Cluster

Clusters podem ser definidos como concentrações geográficas de empresas do mesmo setor ou setores relacionados ao longo da cadeia de valor que colaboram ou competem, e também possuem vínculos com outros atores (como as universidades). Refletem uma abordagem para promover uma determinada região, que consiste basicamente em agrupar diferentes partes interessadas (universidades, tecnologias e centros de pesquisa, negócios, gestão e recursos financeiros, tanto privados quanto públicos) interessados em trabalhar juntos em um setor econômico.

Clusters a serem desenvolvidos nos distritos de inovação em saúde do Ceará:

a) Ciências da Vida - Envolvem o estudo dos organismos vivos, como as plantas, animais e seres humanos, e as questões relacionadas, como a bioética. Embora a biologia seja o tópico fundamental das ciências da vida, os avanços tecnológicos na biologia molecular e na biotecnologia têm proporcionado uma série de especializações e novos campos interdisciplinares. Pode-se destacar dentre as principais áreas de estudo das ciências da vida, aquelas com maior aderência aos objetivos do projeto como: Bioquímica, Bioinformática, Biotecnologia, Biologia molecular e celular, Ciências da saúde, Controle biológico, Farmacogenética, Farmacologia, Genética, Genômica, Imunogenética, Imunologia, Imunoterapia, Microbiologia, Neurociência, Nutrição, Parasitologia, Patologia etc.

b) Tecnologias Médicas – Envolve tecnologias desenvolvidas e aplicadas à prática médica em prol da preservação da saúde humana. A alta tecnologia e o aumento na expectativa de vida da população tornaram o setor de saúde um ramo de atividade próspero e lucrativo. Poucas indústrias vivem um estímulo tão intensivo quanto os mercados que atuam nos segmentos relacionados à saúde. A área de tecnologia da informação, com recursos de inteligência artificial, vem ampliando a segurança e acelerando a emissão de laudos e diagnósticos, além de estudos epidemiológicos. Uso de big datas vem permitindo melhor aferição em estudos de efetividade clínica de novos medicamentos, novas práticas e tecnologias médicas, mudanças ambientais, comportamentais ou de estilos de vida, dentre outros estudos.

c) Indústrias de base Química e Biotecnológica – Envolve indústrias de medicamentos, fármacos, vacinas, hemoderivados, reagentes para diagnóstico, fórmulas para alimentação por sondas, etc.

d) Indústria de base Mecânica, Eletrônica e de Materiais – Envolve indústrias de equipamentos mecânicos, equipamentos eletrônicos (respiradores, equipamentos de imagem, etc.), prótese e órteses, equipamentos de proteção individual (máscaras, viseiras, batas, toucas, etc.), equipos de soro, linhas de sutura, siringas, etc.

 

Como chegamos até aqui?

O Polo Industrial e Tecnológico da Saúde (PITS), no Eusébio, iniciou suas atividades em 26 de junho de 2018 com a inauguração da sede cearense da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ocupando parte do espaço de 73 hectares, cedidos pelo Governo do Ceará, no município do Eusébio, à beira da Lagoa de Precabura. Este primeiro empreendimento inaugurado foi oriundo de esforços em conjunto da Fiocruz, do Governo do Ceará e do município de Eusébio, além doapoio de universidades cearenses. O projeto da sede da Fiocruz no Ceará havia sido idealizado havia mais de uma década, a partir de uma visão da ciência, tecnologia e inovação como pilares fundamentais para a redução das desigualdades regionais do país. Com investimento de R$ 180 milhões, o parque da Fiocruz permitiu integrar projetos de inovação tecnológica na produção de medicamentos, insumos e diagnósticos, para atender da saúde básica à medicina de alta complexidade.

Obras estruturais do Estado para a região foram realizadas, prolongando a CE-010 e implantando acesso pela rodovia até a sede da Fiocruz, via Secretaria da Infraestrutura do Ceará (Seinfra), com mais de R$ 125 milhões investidos.

Ainda em 2018, também foi criado, por decreto do governador Camilo Santana, o Grupo de Trabalho Interinstitucional da Saúde (GTIS), que reúne poder público, universidades, entidades privadas, entre outros, e que uma série de estudos socioeconômicos, projetos urbanos e sociais e ações estratégicas que serão executadas de acordo com as diretrizes dos planos Fortaleza 2040 e Ceará 2050.

Seguindo a mesma linha iniciada com o PITS, o Governo do Ceará e a Prefeitura de Fortaleza lançaram, no início de 2018, o Distrito de Inovação em Saúde “Viva@Porangabussu”, cujo projeto já integrava o Plano Fortaleza 2040 lançado em 2016 e elaborado com ampla participação da comunidade, sociedade civil, empresas, academia e gestores municipais e estaduais. O projeto já foi lançado contando com parceiros importantes como Amazon, Philips, IBM, Fundação do Dom Cabral, IASP (International Association of Science Parks and Areas of Innovation).

O grupo de trabalho, à época coordenado pelo atual Secretário de Saúde Dr Cabeto, e composto por gestores dos municípios de Fortaleza e Eusébio, do Estado, Dirigentes da Fiocruz e universidades, por meio de vários estudos e de visitas técnicas e reuniões realizadas com o então presidente da IASP, Joseph Pique, passaram a se familiarizar com os diversos formatos de ecossistemas de inovação, pelo que o PITS passou a ser trabalhado para se tornar também um Distrito de Inovação, tendo em vista que esta modalidade oferece espaços mesclados para se trabalhar e (ensino, pesquisa, produção industrial, comércio e serviços) e para morar (residências, espaços de lazer, cultura, entretenimento). O modelo de Distrito planejado em formato de cidade compacta utilizando os preceitos do Urbanismo Sustentável, Urbanismo Social e de Cidade Inteligente, é mais adequado à geração de ideias inovadoras e alavancagem dos resultados oriundos da intensificação da integração social que esta forma urbana propicia.

 

Quem faz?

No âmbito do Governo do Estado, a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará é quem está a frente da coordenação do processo de desenvolvimento dos Distritos de Inovação em Saúde, contando com o devido apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, da Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará, da Prefeitura Municipal de Fortaleza, através do Instituto de Planejamento de Fortaleza, da Prefeitura de Eusébio, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Eusébio.

 

Parceiros

A iniciativa conta com o apoio de importantes parceiros, tais como:  Universidade Federal do Ceará, Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura, Fundação Dom Cabral, Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz, La Salle Technova Barcelona, Federação das Indústrias do Estado do Ceará, ICM- Instituto de Ciências Médicas Paulo Marcelo Martins Rodrigues.

Copyrights

VIVA@CEARÁ